A Ceagesp pede socorro


A Ceagesp está abandonada e vive uma situação degradante.

Nem de longe lembra aquele Ceasa imponente que tanto gostávamos de visitar para comprar flores, verduras e legumes da mais alta qualidade e ainda tomar uma deliciosa sopa de cebola nas madrugadas.

Isso acabou. Recentemente visitei as instalações e tomei um susto com o que vi. Agora, para andar pelos corredores caóticos, temos de desviar de sacos de lixo, da sujeira espalhada, até de dependentes químicos que perambulam sem norte pelo local. Isso sem falar da infraestrutura totalmente destruída para os visitantes, que não têm banheiro apropriado para usar, e para os comerciantes, que não conseguem fazer adequadamente o transporte, o recebimento, o armazenamento e a exposição dos produtos.

Os comerciantes permissionários estão desesperados com o estado de abandono do local e com os imensos custos das taxas de condomínio para manutenção, que não são revertidas para melhoria do ambiente. Isto tem prejudicado imensamente as vendas e a imagem da Ceagesp. A venda de flores ainda existe e as frutas e legumes também são comercializadas lá, mas tudo sem higiene necessária. Estamos falando de algo que poderia ser um dos principais pontos turísticos de nossa cidade!

A Ceagesp é administrada pelo governo federal, que a aparelhou com funcionários sem competência ou qualificação, aliás, como fez em todas as empresas estatais. O quadro é agravado porque os atuais administradores realmente não sabem o que fazem.

Para reverter o problema, é urgente uma intervenção na Ceagesp. A administração deve ser feita pelos próprios comerciantes permissionários e por um conselho formado pelo poder público, associações de moradores do bairro e entidades de clientes do entreposto.

Só com uma administração interessada nos reais problemas é que vamos reverter o quadro degradante. É possível transformar a Ceagesp em um dos mais bonitos pontos turísticos de São Paulo. Basta ela ser melhor gerenciada.