A tranquilidade do Tucuruvi


Foi a chegada do trem que marcou o desenvolvimento da zona norte de São Paulo.

Bairros importantes como Mandaqui, Tremembé e Tucuruvi começaram a ser formar nas proximidades das estações do Tramway Cantareira, criado originalmente para transportar material para a represa da Cantareira, mas passou a ser usado para levar pessoas e estimulou o povoamento da região norte.

A estação Tucuruvi de trem foi construída em 1913 e até 1966 era um dos únicos meios de transporte de seus moradores. As primeiras casas do bairro foram construídas pelo inglês Willian Harding, que adquiriu a maior parte das terras em 1903. Desse núcleo inicial de moradias, sobraram apenas os mirantes do palacete de 7 mil m² em que Harding morava, que deu lugar para sede da Subprefeitura Santana/Tucuruvi. A igreja em que foi rezada a primeira missa do bairro, Igreja do Menino Jesus do Tucuruvi, continua em pleno funcionamento, na Avenida Mazzei.

Outro ponto interessante do bairro são as casas e prédios construídos por João Fidalgo, um assistente de pedreiro, que foi marcante para a história do Tucuruvi. Ele investia o dinheiro do seu trabalho em terrenos, construía casas e vendia. Muitos dos seus sobrados, com janelas e portas pequenas, assim como alguns prédios de poucos andares, estão em pé até hoje.

Mas foi inevitável que o bairro, aos poucos, fosse se urbanizando e se modernizando. Em 1998, foi construído o metrô Tucuruvi e com ele o bairro foi valorizado. Porém, caminhando pelo bairro, ainda é possível ver crianças brincando na rua e encontrar os moradores mais antigos conversando tranquilamente na frente das casas. Como se além de construções históricas, o bairro preservasse também o que era São Paulo no começo de sua expansão.