img

Conferência de Distritos Criativos terá debate sobre Economia Criativa


O evento será no dia 25 de agosto e é aberto ao público. Especialistas e representantes do poder público vão debater o tema.

No próximo dia 25 de agosto, terça-feira, a partir das 19h, acontece na Câmara Municipal de São Paulo, a “Conferência Municipal dos Distritos Criativos”, que pretende debater e discutir a Economia Criativa na cidade e contará com especialistas e representantes do poder público, incluindo a participação de Geoff Mulgan, diretor do NESTA, Fundo Nacional para Ciência, Tecnologia e Artes do Reino Unido

O evento, que será aberto ao público, visa chamar a atenção para a iniciativa do Projeto de Lei “Distritos Criativos” (PL 65/2015), idealizado pelo vereador Andrea Matarazzo, inserido no novo Plano Diretor Estratégico de São Paulo, que institui programas de incentivos e benefícios a empresas instaladas na região da Sé e República, por meio de diálogos com representantes do segmento da Economia Criativa, vereadores de todas as bancadas da Câmara e a população.

A programação da conferência contará com palestras, cases da Economia Criativa, apresentação do “Distritos Criativos”, perguntas e debates. Entre os convidados, estão: Fabio Feldmann, que abordará o papel do poder público para a elaboração de políticas para a economia criativa; Lucas Foster, da ProjectHub, que discursará sobre o tema “O que é Economia Criativa”; André Sturm (MIS), Baixo Ribeiro (Choque Cultural), Bruno Torturra (Fluxo) e Guto Requena (Estúdio Guto Requena), apresentando respectivamente mini-cases das áreas de patrimônio cultural, artes, mídia e criações funcionais, serviços que fazem parte da Economia Criativa; palestra de Marcos André Carvalho, Superintendente de Cultura e Sociedade da Secretaria da Cultura do Estado do Rio de Janeiro e ex-Secretário de Economia Criativa do MinC; apresentação do Projeto de Lei por Lucas Baruzzi, Assessor Jurídico e de Políticas Públicas da Câmara Municipal de São Paulo; palestra dos vereadores Andrea Matarazzo e Nelo Rodolfo, autor e coautor do PL 65/2015 e por fim, debate com Geoff Mulgan.

Mulgan é ex-chefe de política do gabinete do Primeiro-Ministro Tony Blair, e ex-Diretor da Young Foundation, que se tornou um dos principais centros para inovação social, combinando pesquisa, criação de novos empreendimentos e projetos práticos na área. O NESTA (National Endowment fo Science, Technology and the Arts) é o órgão britânico que combina investimento em empresas em fase inicial e concessão em áreas que vão de saúde e educação a arte e pesquisa, para desenvolvimento da ciência, tecnologia e artes no Reino Unido.

Segundo Andrea Matarazzo, autor do projeto “Distritos Criativos”, o que move a Economia Criativa é a criatividade e a inovação como matéria-prima, portanto, o processo de criação é tão importante quanto o produto final, ou seja, uma cadeia produtiva baseada no conhecimento e capaz de produzir riqueza, gerar empregos e distribuir renda. “Cada vez mais, São Paulo se torna uma referência quando falamos em cidades criativas do mundo. Temos que urgentemente estruturar essa concepção por meio daquilo que a cidade tem de melhor – os seus profissionais, serviços, sua diversidade cultural, sua fertilidade para novas ideias e projetos – para fortalecer as iniciativas que vêm transformando São Paulo nessa referência”, explica.

Economia Criativa

A Economia Criativa é formada por um conjunto de atividades econômicas relacionadas ao ciclo de criação, produção e distribuição de bens e serviços, tangíveis ou intangíveis, que utilizam a criatividade, a habilidade dos indivíduos ou grupos como insumos primários. Dados do Plano da Secretaria de Economia Criativa (2010) do Ministério da Cultura dão conta de que, no Brasil, a participação do setor criativo representa aproximadamente 3% do PIB nacional, com crescimento médio de 6% ao ano. O número de pessoas que exerciam ocupações formais ligadas aos setores criativos em 2010 era de 4,6 milhões. No Brasil, em 2010, havia mais de 63 mil empresas atuando no núcleo de setores criativos.

Distritos Criativos

No PL 65/2015, Matarazzo propõe a valorização do Distrito Criativo a partir de benefícios fiscais, simplificação do processo de obtenção de alvarás e novos mecanismos que tornam mais transparente a cessão e permissão de uso de bens públicos no desenvolvimento das consideradas atividades criativas. Com base na Lei Municipal do ISS, o PL apresenta, de forma inédita, uma lista municipal com cerca de 40 serviços que fazem parte da economia criativa como, por exemplo, moda, design, espetáculos teatrais, produção audiovisual, espetáculos circenses, shows, espetáculos musicais, gastronomia, entre outros. Isso vale para as empresas criativas já existentes na área do Distrito e para aquelas que venham a se instalar nessa região. O Projeto de Lei 65/2015 ainda tramita na Câmara Municipal de São Paulo e poderá ser aprimorado e discutido nas Audiências Públicas que serão convocadas e divulgadas.

Andrea Matarazzo

Vereador eleito por São Paulo. Formado em Administração de Empresas, foi secretário de Estado da Cultura de São Paulo de maio de 2010 até abril de 2012. Nos vinte anos de vida pública, teve experiência nas três esferas de poder. Foi Secretário de Política Industrial no governo Itamar Franco, Ministro-Chefe da Secretaria de Comunicação de Governo da Presidência da República (1999 a 2001) e exerceu o cargo de Embaixador do Brasil na Itália (2001 a 2002) no governo de Fernando Henrique Cardoso. No município, foi Subprefeito da Sé (2005 a 2007), Secretário Municipal de Serviços (2005 a 2006) e Secretário de Coordenação das Subprefeituras (2007 a 2009).

Nelo Rodolfo

Jornalista, radialista, publicitário e bacharel em direito. Atualmente, cumpre o seu terceiro mandato como vereador. Por duas vezes consecutivas, em 1992 e 1996, Nelo Rodolfo foi o vereador mais votado da cidade de São Paulo. Na Câmara Municipal, ocupou cargos importantes, como o de primeiro-secretário (1994/1995) e o de presidente (1997/1998). É autor de diversas leis de interesse público, como a que viabilizou a criação do Parque da Juventude, na zona norte. Em 1998, Nelo Rodolfo foi eleito deputado federal (1999/2002).

Fabio Feldmann

É administrador de empresas formado pela Faculdade Getúlio Vargas em 1977 e advogado pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco em 1979. Foi eleito Deputado Federal por três mandatos consecutivos (1986 – 1998) e participou como Deputado Constituinte na elaboração da Constituição de 1988. Em 1995, Fabio Feldmann assumiu o cargo de Secretário Estadual de Meio Ambiente de São Paulo, no qual atuou até 1998. Baseou a definição de prioridades na estratégia de despertar a consciência das pessoas para sua condição de atores sociais e de criar um espaço público para a discussão dos temas ambientais. Em 2010 foi candidato ao Governo do Estado de São Paulo, tendo se destacado por ter introduzido, a partir de então, a economia criativa na agenda política brasileira. Atualmente, Fabio Feldmann dirige seu próprio escritório de consultoria que trabalha principalmente com questões relacionadas ao meio ambiente e à sustentabilidade.

Lucas Baruzzi

Assessor Jurídico e de Políticas Públicas. Formado em Direito e em Ciências Sociais.

Mestre em Filosofia do Direito. Possui experiência em políticas públicas e em direito para temas de meio ambiente, urbanismo, patrimônio cultural e populações tradicionais.

Possui experiência em elaboração de leis, decretos e outras normas infralegais (portaria, resolução, regimento interno); no acompanhamento e tramitação de projetos de lei junto a parlamentares e comissões temáticas.

Lucas Foster

É psicólogo e consultor em criatividade, economia criativa e desenvolvimento. Fundador e Diretor Executivo da ProjectHub, primeira rede internacional para Empreendedores da Economia Criativa estabelecida no Brasil. Representa oficialmente na América Latina a BOP Consulting, criada por John Howkins, consultoria internacional especializada em cultura e economia criativa, e é parceira da Endeavor, organização internacional de incentivo ao empreendedorismo.

André Sturm

Diretor Executivo do Museu da Imagem e do Som – MIS. É um cineasta brasileiro, cursou administração na Fundação Getúlio Vargas. Em 1989, fundou uma distribuidora de filmes, a Pandora, que lançou no Brasil filmes como “Trainspotting”, de Danny Boyle, “As bicicletas de Belleville”, de Sylvain Chomet, e “Medos privados em lugares públicos”, de Alain Resnais. Em 2003 tornou-se dono do Cine Belas Artes, o mais emblemático cinema de rua de São Paulo.

Baixo Ribeiro

Arquiteto e Urbanista. Na década de 90 trabalhou com cenografia e figurino para fotógrafos, cinema, teatro e TV, especializando-se em questões e assuntos do universo juvenil. Fundou o Eduqativo – Instituto Choque Cultural, uma organização sem finalidade lucrativa, que atua em quatro eixos: 1) criação de novos métodos e instrumentos educativos para professores do ensino médio; 2) incubadora de artistas com programas de intercâmbios e oficinas; 3) projetos de arte pública com programas educativos e colaborativos; 4) produção de conteúdo com ênfase em vídeos para internet e livros.

Bruno Torturra

Jornalista e fotógrafo. Por 11 anos trabalhou na revista Trip como editor de música, repórter especial, correspondente internacional e, finalmente, diretor de redação. Em 2011 fez a primeira transmissão ao vivo por streaming de uma manifestação de rua do Brasil. No final de 2012 começou a articular a criação da Mídia NINJA (Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação). Em outubro de 2014 foi um dos palestrantes como no TED Global, que aconteceu no Rio de Janeiro.

Guto Requena

Graduado e Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela USP – Universidade de São Paulo. É um estudioso sobre cibercultura e o impacto das novas tecnologias de informação e comunicação no urbanismo, na arquitetura e no design. Durante dez anos foi pesquisador do NOMADS USP – Centro de Estudos de Habitares Interativos da

Universidade de São Paulo. Recebeu diversos prêmios nacionais e internacionais como

“Building of The Year”, “O Melhor da Arquitetura”, “Jovem Brasileiro” e “Melhor projeto Brasileiro de espaço pelo BID – Bienal Iberoamericana de Design”. É colunista do Jornal Folha de São Paulo e titular do Estúdio Guto Requena.

Marcos André Carvalho

Formado em Comunicação pela PUC-Rio, foi Superintendente de Cultura e Sociedade da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro e ex-Secretário da Economia Criativa do Ministério da Cultura. Gestor público na área da cultura e empreendedorismo, Marcos André também foi Coordenador de Diversidade Cultural e Coordenador de Economia Criativa na Secretaria de Cultura do estado do Rio. Responsável pela concepção e implementação do Rio Criativo – Incubadoras de Empreendimentos da Economia Criativa do Estado do Rio, do Escritório de Apoio à Produção Cultural e do Programa Rio Criativo de Desenvolvimento da Economia Criativa do Estado do Rio, instituído via decreto governamental em abril de 2013. Na Secretaria de Cultura do Rio coordenou, ainda, a implantação da Rede de 196 Pontos de Cultura em 70 cidades do estado e dos Editais de Intercâmbio e Exportação de Cultura, de Produção de Eventos, de Microprojetos, de Registro de Tradição Oral e de Fomento ao Carnaval e ao Funk.

Geoff Mulgan

Diretor Executivo do NESTA (National Endowment for Science, Technology and the Arts), órgão britânico que combina investimento em empresas em fase inicial e concessão em áreas que vão de saúde e educação a arte e pesquisa. Geoff foi Diretor da Young Foundation, um dos principais centros para inovação social, combinando pesquisa, criação de novos empreendimentos e projetos práticos. Entre 1997 e 2004, Geoff teve vários papéis no governo do Reino Unido, incluindo o diretor da Unidade de Estratégia do Governo e chefe de política no gabinete do Primeiro-Ministro. Antes disso, ele foi o fundador e diretor da organização Demos. Ele também foi conselheiro principal para Gordon Brown MP, professor de telecomunicações; executivo de investimento; e repórter na BBC TV e rádio, além de professor visitante, conferencista, escritor e conselheiro para diversos governos ao redor do mundo.

Conferência Municipal dos Distritos Criativos @ Câmara Municipal de São Paulo

Data: 25 de agosto, terça-feira, às 19h

Endereço: Viaduto Jacareí, 100 – Bela Vista – São Paulo – SP – Salão Nobre – 8º andar

Programação:

18h30 – Abertura

18h40 – Políticas públicas para a economia criativa – Fabio Feldmann (Fabio Feldmann Consultores)

19h – “O que é Economia Criativa” – Lucas Foster (ProjectHub)

19h10 – Mini-cases: Patrimônio Cultural (André Sturm / MIS), Artes (Baixo Ribeiro / Choque Cultural), Mídia (Bruno Torturra / Fluxo), Criações Funcionais (Guto Requena / Estúdio Guto Requena)

19h50 – Rio Criativo – Marcos André Carvalho (Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro)

20h – Parque Tecnológico de Sorocaba- Alexandre Alvaro

20h10- Apresentação do Projeto de Lei “Distritos Criativos” (PL 65/2015) – Lucas Baruzzi (Câmara Municipal de São Paulo)

20h20 – Representantes do Poder Público – Vereador Andrea Matarazzo e Vereador Nelo Rodolfo

20h30 – Geoff Mulgan – Diretor Executivo da NESTA

21h – Perguntas e debates