Fábricas de sonhos e oportunidades


Sabe aquele jovem talentoso que canta ou dança e não tem onde se apresentar e ensaiar? Ou aquela banda que não tem lugar para gravar suas músicas?

 

Ou mesmo aquele amigo que sempre teve vontade de tocar um instrumento, mas não tem dinheiro para pagar as aulas?

Todo mundo conhece um artista talentoso que não tem a oportunidade que merece. Principalmente na periferia das grandes cidades, onde os equipamentos culturais são escassos. Mas Em São Paulo essa realidade está mudando.

Desde 2011, dez Fábricas de Cultura foram inauguradas pelo governador Geraldo Alckmin e por mim, quando era secretário de Estado da Cultura dos governos Serra/Goldman.

As fábricas são grandes centros culturais de formação e apoio aos artistas locais.  Para os jovens que querem começar a aprender, são oferecidos gratuitamente cursos de circo, teatro e dança, que a cada ano vêm formando centenas de novos artistas. A experiência de participar de uma orquestra ou de montar uma peça de teatro também é possível, e a cada fim de ano podemos assistir a uma montagem nova produzida pelos aprendizes.

Para os grupos locais já constituídos, são oferecidas salas para ensaio, estúdio de música e vídeo, palestras com artistas renomados e um teatro com capacidade para 300 pessoas para que possam apresentar seu trabalho para a comunidade local. Toda semana são dezenas de artistas locais se apresentando.

Além disso, é realizado um trabalho com as escolas vizinhas, que assistem a premiados espetáculos de teatro e dança, além de orquestras.

As atividades das Fábricas de Cultura não se limitam a seus muros, pois dezenas de eventos são  realizados em escolas e ONGs, onde o projeto atua levando atrações artísticas e sessões de cinema itinerante.

É com uma intensa atividade cultural que os nossos jovens vêm produzindo e consumindo cada vez mais cultura através das Fábricas. Só no passado, foram atendidos quase 1,4 milhão de jovens.

Cultura e arte formam um caminho eficiente para afastar jovens das drogas e da violência. Projetos como esse que me animam a continuar me dedicando à vida pública. As Fábricas de Cultura Foram um dos mais transformadores projetos dos quais já participei.

Artigo publicado no jornal Diário de S. Paulo em 28/06/2015

Artigo-diario-2806