Hospitais municipais maltratados


Já sabemos como o PT maltrata a saúde pública. Por onde passa, os sinais de devastação são enormes.

Na nossa cidade, os casos se multiplicam. O mais recente é o descaso com a maternidade do Hospital Vila Santa Catarina, como mostrado por este Diário, que sofre com obras atrasadas, falta de equipamento e instalações inadequadas.

Das seis salas do centro cirúrgico, quatro ainda não estão prontas. O atraso se deve a questões absurdas, como a instalação elétrica do lugar. A reportagem trouxe declaração de um funcionário da obra que diz que da forma como foi instalada, a energia não suporta todos os aparelhos funcionando ao mesmo tempo. É o caos anunciado!

Com esses problemas, não há mais prazo para a abertura da maternidade, que estava prevista para este mês, conforme admitiu a própria Secretaria Municipal de Saúde na reportagem. Isso porque se trata de um dos três hospitais prometidos pelo prefeito Fernando Haddad até o fim do mandato.

As outras unidades hospitalares tratadas como prioritárias, Parelheiros e Brasilândia, estão em estágio inicial. As obras em Parelheiros começaram em fevereiro e em Brasilândia foram anunciadas apenas na semana passada.

Enfatizo: se a situação dos hospitais considerados prioritários é lastimável, imaginem como ficará a situação de unidades hospitalares que nem sequer foram incluídas no Plano de Metas do nosso prefeito, como o Hospital Vasco da Gama, no Brás, ou o Alexandre Zaio, na Vila Matilde.

A população necessitada de atendimento acaba recorrendo aos hospitais estaduais, que estão atendendo no limite de suas capacidades por total fragilização da rede municipal. Isso sem falar nos hospitais federais, como o Hospital São Paulo, que sofre com falta de equipamentos, falta de recursos e, mais recentemente, com a greve de residentes.

A incompetência municipal reflete a maneira como o PT trata a Saúde no geral, represando repasses de recursos, permitindo a deterioração absurda do SUS, sufocando toda a rede de Santas Casas e demais hospitais filantrópicos.

A luta política para melhorar a Saúde é tarefa de todas as pessoas de bem que não aceitam mais ser desrespeitadas diariamente pelo poder público. É hora de agir.

 Artigo publicado no jornal Diário de S. Paulo em 12/07/2015

artigodiario1207