Matarazzo discursa na convenção


Leia íntegra do discurso de Andrea Matarazzo.

Boa tarde a todos,

Eu quero começar dizendo que é uma grande alegria para mim ser recebido aqui na convenção do PMDB.

E é uma alegria ainda maior porque eu olho para vocês e vejo amigos de toda a cidade, que a partir de agora vão caminhar lado a lado em torno de um só projeto, de um só objetivo.

Vocês sabem o quanto eu queria ser candidato a prefeito de São Paulo. Sabem que esta é a cidade que eu amo e que esse sempre foi o meu sonho.

Mas a política não pode ser a expressão de uma vontade individual. É um processo que, para ser vitorioso, precisa ser coletivo.

Nesse processo, o grupo que sempre me apoiou, e que eu represento, e o grupo que apoia a Marta foram percebendo que se a gente juntasse forças, estaríamos muito mais preparados para enfrentar a caminhada que vem pela frente.

É isso o que está acontecendo aqui, no dia de hoje!

Somar forças com Marta significa não apenas formar uma chapa para disputar essa eleição.

Significa reunir pessoas de bem, que querem o melhor para cidade de São Paulo. Pessoas que têm muitas ideias novas, mas que trazem também muita experiência.

Nós temos muito mais pontos de vista em comum do que eu mesmo poderia supor. Nas últimas semanas, desde que a Marta me convidou para ser seu vice, tivemos vários encontros. E eu descobri que temos uma visão muito, mas muito semelhante em diversos aspectos da cidade.

Nós concordamos que o objetivo maior da Prefeitura deve ser reduzir as desigualdades na cidade.

Não é possível, por exemplo, em locais como o Jardim Keralux, lá em Ermelino Matarazzo, a principal demanda da população ainda ser a pavimentação das ruas.

Não é razoável que no Jardim Lapenna, em São Miguel, ou no Itaim Paulista, as pessoas sofram todos os anos com inundações. Tem gente que perde a vida tentando salvar o pouco que tem da violência das águas. Isto não é aceitável. Isto é desumano.

Também não é aceitável que um lugar como o Jardim Peri Alto, na Cachoeirinha, concentre tanta miséria e tão pouca presença do poder público.

Marta e eu, junto com vocês, vamos trabalhar todos os dias da nossa gestão para melhorar a vida de quem mais precisa. A vida dos desamparados. Daqueles que mais dependem da Prefeitura. É para eles que temos que trabalhar. E é para isso que serve a vida pública.

Temos que retomar com força o programa de urbanização de favelas, como fizemos no Cantinho Céu, na zona Sul, e em tantos outros lugares. Enfrentar a questão habitacional. Continuar o Programa Mananciais, na Guarapiranga. Fazer a regularização fundiária, que é uma demanda de toda a periferia e que vai revolucionar esta cidade, facilitando a mobilidade e expandindo os empregos.

Não vamos nos esquecer das políticas públicas para os idosos, para as gestantes, para os moradores de rua… todas as minorias vulneráveis que foram abandonadas pela atual gestão.

Temos também que trabalhar para tornar a cidade cada vez mais acessível, para todas as pessoas que têm algum tipo de deficiência. Isso, prefeita Marta, eu aprendi com a nossa querida amiga Mara Gabrilli. Tenho certeza que temos muito para avançar nessa matéria.

Outro ponto crucial é enfrentar a poluição, seja ela sonora, do ar, das águas, do solo ou da paisagem urbana.

E não podemos esquecer da atividade econômica. É ela que gera a riqueza de São Paulo. É ela que gera os recursos que vamos precisar para todos esses investimentos. Por isso, vamos desburocratizar os procedimentos da Prefeitura, para facilitar a vida de quem quer empreender e gerar novos empregos na cidade.

Vamos dialogar com a sociedade e sair do gabinete todos os dias para fazer parte da vida da São Paulo real!

Afinal, como eu sempre digo pra todo mundo: conhece os problemas e as prioridades de um lugar, quem mora e quem trabalha naquele lugar.

Durante esta campanha, vocês, que vão estar na linha de frente, pedindo votos, falando com as pessoas, devem se lembrar sempre de duas políticas públicas que mostram como a nossa união pode funcionar e trazer o bem pra cidade.

A primeira, eu tenho certeza que todo mundo conhece: os CEUs. Foi a Marta quem criou os CEUs, e essa foi uma das políticas mais inovadoras que São Paulo já conheceu. Nas gestões em que eu tive o privilégio de trabalhar, primeiro com o prefeito José Serra e depois com o prefeito Gilberto Kassab, nós levamos a ideia adiante. Não fizemos aquela coisa antiga e ultrapassada de desfazer boas ideias do outro.

Resultado: se juntarmos as três gestões, Marta, Serra e Kassab, fizemos juntos quase 50 CEUs. O atual prefeito, nestes últimos quatro anos, fez apenas 1. E isso porque nós começamos a obra.

Outro exemplo que a gente precisa lembrar: o Bilhete Único. Quem criou o Bilhete Único foi a Marta, nos ônibus da capital. Depois, o Kassab na Prefeitura e o Serra no governo ampliaram o Bilhete Único para o Metrô. Ou seja, uma ideia que nasceu boa, ficou ainda melhor.

Vejam quantos pontos de vista convergentes Marta e eu temos sobre a cidade.

É assim que eu acredito que a gente vai conseguir trabalhar. Com boas ideias, com parceria e com trabalho duro.

Na vida, todos nós temos que amadurecer, evoluir e avançar. E eu acredito, de coração, que este é o sentido da nossa aliança.

Estamos dando o primeiro passo para criar um novo jeito de se fazer política em São Paulo.

Eu estou vendo aqui, é claro, muita gente do PMDB. E muita gente do PSD. Mas há pessoas que estiveram no PT e outras que foram do PSDB. E vocês podem ter certeza de que ao longo do caminho muitos outros companheiros virão. Nós sabemos disso. Porque o que nos une é o desejo de fazer o bem para cidade.

Como eu disse ao longo da semana, a política não pode ser um campo de batalha. Chega dessa história de eleitores azuis de um lado, vermelhos de outro, centro expandido de um lado, bairros da periferia de outro.

Para melhorar de verdade, a cidade precisa andar junta.E é isso que a nossa aliança significa!É uma aliança que já nasce do tamanho de São Paulo!É uma aliança que tem no cidadão a sua prioridade.

Juntos, vamos oferecer o nosso trabalho, nossas ideias, nossa experiência e uma luta constante por uma São Paulo mais igual e sem divisões.

Eu quero encerrar, lembrando uma frase do saudoso governador Mario Covas. Ele foi um homem decisivo na minha vida e na vida de Marta. Na minha, porque me colocou definitivamente na vida pública, quando me convidou para ser secretário no governo dele. E na dela, porque o Covas foi decisivo quando, em 2000, teve coragem pra mudar e apoiou a Marta para que ela fosse eleita prefeita pela primeira vez.

O Mario Covas costumava dizer o seguinte: “Eu asseguro que é possível conciliar política e ética, política e honra, política e mudança.”

É nisso que eu acredito. É por isso que eu estou aqui hoje, junto com vocês, para ajudar a eleger a Marta mais uma vez prefeita da nossa cidade.

A partir de agora, nosso grito é um só: Marta prefeita! Pelo bem de São Paulo!

Veja aqui a repercussão na imprensa.