Multiplicador de fracassos


Entre tantos problemas mal resolvidos em nossa cidade pela atual administração Fernando Haddad, a questão da dependência química ganha contornos cada vez mais preocupantes.

 

Seja pela falta de equipamentos para o atendimento aos dependentes seja pela equivocada e desastrada implementação do Programa Braços Abertos. Isso para não falar da estarrecedora matéria da Folha de S.Paulo noticiando que o prefeito negociou com traficantes da região para uma desastrada operação na área que acabou com feridos.

No marketing de sua campanha à prefeitura em 2012, Haddad apresentava uma cidade imaginária repleta de novos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). A promessa, levada ao Plano de Metas, era entregar à cidade 32 novos CAPS. No entanto, o que vemos é outra história: até agora nenhum equipamento sequer saiu do papel.

Este é mais um exemplo da incapacidade de gestão numa área sensível da vida da cidade, deixando na mão não somente milhares de usuários de drogas, bem como tantas e tantas pessoas com transtornos mentais diversos que só contam com o serviço público para tratamento e acompanhamento.

No combate à disseminação do crack, a prefeitura igualmente se mostra perdida. O Programa Braços Abertos, nascido para o fracasso ao insistir na recuperação dos dependentes sem retirá-los da zona de consumo e tráfico, cada vez mais vai se tornando um nada. No entanto, preso a sua São Paulo imaginária, o prefeito se nega a enxergar que na cidade real o crack se espalha por vários distritos, do centro expandido à periferia.

Tão submerso e preso a um cenário urbano que só existe na ficção, ele se empenha agora na descentralização do Braços Abertos, adaptando a metodologia usada, sem sucesso, na cracolândia da região da Luz a outras regiões da cidade.

Na Vila Leopoldina (zona Oeste), por exemplo, onde existe outra cracolândia com cerca de 150 usuários, esse programa chegará sem que o bairro tenha sido contemplado com um dos 32 CAPS prometidos. A cena se repete na Brasilândia (zona Norte), na avenida Paulista (zona Oesta), Mata do Iguatemi, no jardim Pedra Branca (zona Leste) e muitos outros.

Esse é o prefeito de São Paulo dando à sua equipe de comunicação a oportunidade de criação de um novo slogan: Haddad, o multiplicador de fracassos.