Número de invasões de sem-teto em São Paulo triplicou


Andrea Matarazzo comenta reportagem da Folha de S. Paulo sobre número de invasões de sem-teto na cidade de São Paulo.

Sr. Presidente, quero fazer alguns comentários sobre matéria publicada, ontem, no jornal Folha de S.Paulo mostrando que o número de invasões de sem-teto na cidade de São Paulo triplicou nos dois primeiros anos da Gestão Fernando Haddad em relação à Gestão Kassab. Hoje mais de 70 prédios estão ocupados na região de São Paulo.

Lemos também que, na região de manancial, especificamente perto da Guarapiranga, o Prefeito Fernando Haddad autorizou a construção de 3 mil novas moradias.

Ao mesmo tempo, lemos também declaração do Prefeito Fernando Haddad dizendo que vai destinar 30 ou 20% das habitações populares do Programa Minha Casa, Minha Vida às entidades aliadas ao Governo. Ou seja, 20% dos contemplados na cidade de São Paulo serão os amigos do Sr. Prefeito, entidades aliadas e alinhadas com essa Prefeitura.

Vi também que, com relação às invasões, o Prefeito Haddad criticou a Polícia Militar. Disse que era um problema do Estado. O Prefeito Haddad tem esse hábito de sempre terceirizar a responsabilidade. É muito interessante isso.

Com relação também às matérias publicadas, V.Exas. devem ter visto, nobres Vereadores Jean Madeira e Marco Aurélio Cunha, que todos os barracos ou aquela favela que existia na Nova Luz, em frente à Sala São Paulo, voltou a existir em toda aquela região. São os barracos do tráfico, a Cracolândia, que antes tinha os seus hotéis ocupados, tomados pelos traficantes para abrigar os viciados e outros ocupados por eles. Isso era o tráfico e quem faz agora é o Poder Público que aluga aqueles prédios, os hotéis, para os dependentes químicos.

Não é possível imaginar que o Sr. Prefeito ou que alguém em sã consciência consiga recuperar dependentes químicos dando a eles trabalho naquele ambiente, no meio dos traficantes, ou deixando que eles vivam no meio dos traficantes.

Uma alternativa seria que trabalhassem e se hospedassem distantes daquele lugar. Mas lá no meio, como se espera a recuperação de alguém? É o vício por todos os lados contaminando e atraindo aquelas pessoas desvalidas. São pessoas que precisam de tratamento e atenção do Poder Público.

Quando questionado pela imprensa sobre a Cracolândia, sobre a volta da favela na região da Luz, na Rua Helvétia, o Prefeito Fernando Haddad pôs culpa na Polícia novamente, terceirizou a responsabilidade. É interessante que quando vemos a Polícia agir naquela região, o Prefeito Fernando Haddad é o primeiro a vociferar contra as ações policiais contra o tráfico na região da Luz.

Enquanto não tirarmos o tráfico de lá, haverá os dependentes químicos. Enquanto não tratarmos os dependentes químicos como eles precisam e merecem, não haverá recuperação. Solução existe e temos visto trabalhos, como o do nobre Vereador Jean Madeira, de recuperação de dependentes químicos ou mesmo do projeto do Governo do Estado, que tem trazido soluções.

Mas o que eu queria enfatizar nesses três casos é que o Prefeito Fernando Haddad terceiriza a responsabilidade e eu queria sugerir ao Sr. Prefeito que S.Exa. assuma efetivamente a Prefeitura. Ser Prefeito de uma cidade como São Paulo tem bônus e ônus, mais ônus do que bônus e não tem problema nenhum, Sr. Prefeito, assumir a responsabilidade e os erros, que fazem parte da gestão. Terceirizar a responsabilidade é o que não me parece algo compatível com o cargo de Prefeito de São Paulo.

Muito obrigado.