O prefeito Fernando Haddad está mal informado


Andrea Matarazzo fez um discurso repercutindo declaração do prefeito Fernando Haddad sobre a crise da água.

Sr. Presidente, Srs. Vereadores, primeiramente quero dizer que em momento nenhum de todas as reuniões da CPI da Sabesp que ocorreu nesta Casa algum técnico da companhia disse que faltou essa ou aquela obra. Portanto, acho que antes de serem faladas, as coisas precisam ser analisadas com um pouco mais de calma.

O noticiário da mídia sobre a crise de água em São Paulo traz uma nova e preocupante visão do Prefeito Fernando Haddad sobre esse assunto. Dessa vez o Prefeito distorce os fatos ao falar sobre o posicionamento da Bancada do PSDB em relação à aprovação de projeto de lei que prevê multa para moradores que lavarem carros ou calçadas utilizando água da rede pública. Creio que equivocadamente isso se dê por causa da frágil estrutura do Secretário de Comunicação Nunzio Briguglio, que é incapaz de manter o Prefeito corretamente informado dos fatos. O Prefeito Fernando Haddad declarou ontem para a imprensa que os Vereadores do PSDB se insurgiram contra o projeto de lei que visa a multar quem em plena crise de abastecimento utiliza água de maneira não racional. Isso émentira ou má informação ou as duas coisas juntas.

Gostaria de lembrar ao Prefeito Haddad, já que o seu Secretário de Comunicação não o faz, que desde 2001, portanto uma década e meia atrás, vereadores e a própria Bancada do PSDB nesta Casa são autores ou coautores de projetos de lei incentivando tanto o uso racional de água potável, com previsão de multas para usos inadequados, quanto a adoção de novas formas de aproveitamento de água de reúso.

Em 2001, por exemplo, o Vereador Ricardo Montoro propunha o PL 01719, em que o desperdício de água comum para lavar calçadas, fachadas, painéis e veículos era considerado infração passível de multa. Vereador José Rolim, no PL 010411, propunha a proibição de lavagem e jateamento de calçadas com água potável.

Ainda em 2001, a Bancada do PSDB dispunha sobre a água de reúso, determinando que o Município de São Paulo passasse a usar água proveniente das estações de tratamento de esgoto para lavagem de ruas, praças públicas, passeios públicos e próprios municipais.

No ano passado, o Vereador Mario Covas Neto assinava junto com vereadores de outros partidos o PL 0100529, que agora está sendo discutido, autorizando a Prefeitura a multar em mil reais os munícipes que forem flagrados lavando calçadas e/ou veículos junto ao meio-fio.

Cá entre nós, gente, é o que eu disse: ou o Prefeito é mal informado em função de falhas de seu Secretário de Comunicação, ou é mal informado em função de omissão do seu Secretário de Comunicação, ou o Prefeito quer criar cizânias ou fala inverdades a respeito da Bancada do PSDB.

Como é que nós nos insurgiríamos contra um projeto de lei que é proposto pelo próprio Deputado da Bancada do PSDB? Portanto, Sr. Prefeito, melhor corrigir a Secretaria de Comunicação que não o vem informando adequadamente. Como se vê, o posicionamento do PSDB sobre o consumo racional de água tem sido feito de maneira absolutamente responsável.

Concordo com a Vereadora Sandra Tadeu e com o Vereador Adilson Amadeu quanto à importância das campanhas de comunicação, ensinando a população como economizar água, mas discordo quando dizem que não se deve multar aqueles que desperdiçam, que jogam água fora em época de crise ou em época de não crise. A água é um insumo limitado na natureza. Faz parte de uma boa política ambiental preservá-la e usá-la corretamente.

Enfim, quero, então, insistir: que o Prefeito mude sua posição, porque não é só na questão hídrica que a realidade é transformada em questão ideológica, em ideologia maniqueísta por parte do Prefeito Haddad. Na questão da Lei de Uso e Ocupação de Solo, a defesa das ZERs deixou de ser uma questão urbanística para ser uma questão ideológica. Há uma verdadeira guerra da Prefeitura contra as Zonas Estritamente Residenciais aqui na cidade de São Paulo. Aliás, hoje, uma das tendências em todas as cidades modernas do mundo são as zonas estritamente residenciais bem planejadas como as que temos em São Paulo.

Fica aqui o registro de que o PSDB sempre foi e continuará sendo defensor de leis e medidas que ajudem São Paulo a lidar com a água de maneira responsável.

Muito obrigado.