Os problemas de São Paulo vão muito além de sacolinhas plásticas


O assunto desta semana em toda a mídia paulistana é a nova regra de uso de sacolinhas plásticas.

Pessoalmente, acho esta discussão infrutífera, mas é importante destacar que o prefeito Fernando Haddad conseguiu estragar mais um projeto para São Paulo.

Quando começou-se a falar sobre as sacolinhas de supermercado há cerca de quatro anos, a discussão girava em torno de preservar o meio ambiente. A ideia era substituir o material das sacolas já que o plástico demora para se decompor. Agora, o prefeito criou sacolas maiores e de plástico para serem distribuídas ao consumidor. E pior, elas serão pagas.

Enquanto isso, os problemas da cidade vão se proliferando. Um exemplo é o comércio ilegal de produtos pirateados e de cargas roubadas que só aumentou. A prefeitura deixou de fiscalizar e os camelôs estão tomando conta das ruas e avenidas da cidade. Quando fui Secretário das Subprefeituras, realizei um trabalho árduo no combate ao comércio irregular. Alcançamos ótimos resultados, como no Largo 13 de Maio e no Largo da Concórdia. Mas, para manter estas conquistas, é preciso haver um trabalho persistente.

Aos poucos, também os cassinos clandestinos estão voltando, ocupando casarões irregularmente em bairros residenciais. A cidade está abandonada.

A impressão que tenho é que Fernando Haddad não tem noção do tamanho de São Paulo. Ele não sabe como priorizar as questões importantes da cidade, como saúde, transporte público de péssima qualidade, limpeza de bueiros e galerias, manutenção de praças, e se perde nos factoides. Acorda, Haddad! São Paulo precisa de um prefeito de verdade.