Priorizar o que é prioridade


Estou cada vez mais convencido de que falta a São Paulo uma administração que saiba o que é prioritário. Nestas últimas semanas,me dediquei a andar por todos os cantos da nossa capital.

Cheguei à triste conclusão de que há muito abandono em todas as regiões, do Centro expandido aos bairros mais periféricos. 0 cuidado mais próximo dos gestores públicos não está sendo feito, a zeladoria está completamente abandonada no Centro e na periferia. As regiões sofrem com capim alto, calçadas arrebentadas, asfalto esburacado, sujeira por todos os lados.

A periferia é onde as necessidades são mais latentes. Nem o básico tem sido feito. Ainda há muitas ruas sem asfaltoea sujeira está indecente. Há necessidade de regularização fundiária. Passeei também por alguns parques. Não há justificativa plausível para a situação de abandono e descaso do parque Sete Campos, em Cidade Ademar. Seria um ótimo local para famílias frequentarem, se divertirem, promoverem encontros, fazerem piqueniques. Mas, na atual situação, é impossível. É uma realidade que desafia a lógica porque os parques são essenciais para o lazer s e para a boa qualidade de vida. A Prefeitura deveria se ocupar de fazer a manutenção adequada e cuidadosa desses locais e ir além: construir novos parques e plantar mais árvores para aumentar a cobertura verde de nossa cinzenta cidade.

O problema é que o caos é grande e se agrava com qualquer ameaça de chuva, deixando ruas sem iluminação,semáforos apagados, complicando o trânsito e a segurança dos paulistanos. Para piorar, ainda estamos enfrentando seguidas enchentes. Um problema que se repete, como o que afeta as famílias do Jardim Pantanal, que desde 2010 têm de lidar com os problemas causados pela cheia. A Prefeitura poderia contribuir para amenizar isso, realizando manutenção permanente de bueiros, limpeza de bueiros, bocas de lobo e piscinões. Os transtornos sofridos poderiam e deveriam ser muito menores se fosse priorizado o que é prioridade.

Artigo publicado no jornal Diário de S. Paulo em 10/01/2016

0111-Diario