Separação de São Paulo do Brasil


Andrea Matarazzo comenta manifestações de quem quer a separação de São Paulo do Brasil.

Sr. Presidente, Srs. Vereadores, boa tarde a todos. Em primeiro lugar, queria me solidarizar com o nobre Vereador Alfredinho pelo que aconteceu há pouco. Efetivamente, parabenizo o Presidente da Mesa, que não deixou pessoas que vêm aqui para tumultuar, que não têm espírito democrático, se manifestarem de formar agressiva e deseducada com um Vereador valoroso, como é o nobre Vereador Alfredinho.

Vereador Alfredinho, ia falar de outro tema, e pode ser que o faça ao final, pois queria apenas completar aquilo que V.Exa. tem dito.

São Paulo, tanto o Estado quanto a Cidade, foram construídos por imigrantes, da Europa, do Oriente, do Líbano, do Japão, que vieram no início do século passado; e, principalmente, a partir dos anos 50, pelos nossos queridos irmãos nordestinos, que, com muita coragem, saíram de suas casas e vieram para São Paulo para tentar a vida. E graças a essa sociedade, graças a essa integração que sempre existiu entre todas as raças, entre todas as pessoas, São Paulo é aquilo que é hoje.

Foram homens como o próprio nobre Vereador Alfredinho, que muito jovem, aos 15 anos de idade, sozinho, veio para esta cidade e venceu. Aliás, costumo dizer que S.Exa., com todas as dificuldades que teve na vida, está exatamente no mesmo lugar em que eu estou, com todas as facilidades que tive na vida. Isso é inquestionável.

Apenas queria me manifestar, nobre Vereador Alfredinho, em relação a comentários feitos depois das eleições. Alguns desses comentários não foram feitos com o sentido que se tentou depois interpretar. Foram palavras, muitas vezes, ditas no calor da emoção com relação ao nosso Estado ou com relação aos outros Estados, muito mais no sentido de se ter autonomia do que qualquer outra coisa. Falo isso com tranquilidade, porque sou daqueles que acham que o Brasil não pertence a nenhum partido, não pertence a ninguém, pois pertence a todos nós, brasileiros. Isso é muito importante, pois é o que faz o nosso país ser uma grande oportunidade para o mundo todo.

Na semana passada mesmo, vimos para onde estão indo aqueles que estão fugindo do conflito da Síria: para o Brasil – mais de 1.500 sírios vindos para cá em razão dos conflitos. Para onde foram, ou estão indo, as vítimas do grande terremoto do Haiti? Para o Brasil, para São Paulo.

Com relação ao que o nobre Vereador Alfredinho estava falando, sobre o ato de quinta-feira contra aqueles que querem dividir o Brasil, temos de falar também com o Presidente Lula, que em seus discursos sempre faz aquela diferença: “nós contra eles” ou “eles contra nós”. Temos de dizer também ao Presidente Lula que o Brasil é somente um. Não temos inimigos entre nós, nem adversários dentro do Brasil; somos todos brasileiros. Esse é o ponto que eu queria enfatizar.

Quero parabenizar o nobre Vereador Alfredinho pelo sucesso que teve aqui em São Paulo. Para mim, S.Exa. simboliza a garra, a coragem e a seriedade de todos os nordestinos que vieram para cá construir a nossa cidade, sem dúvida nenhuma.

Queria também fazer um comentário a respeito do PL 377/2014, que veio à Câmara para aprovação, e que altera a lei da Operação Urbana da Faria Lima.

Operação urbana, como todo mundo sabe, é feita para que os recursos provenientes dos Cepacs vendidos de determinada área sejam investidos diretamente em melhorias na própria área. É um processo longo, com audiências públicas, discussões com a comunidade e muitas reuniões.

Surpreendeu-me, nobre Vereador Arselino Tatto, a chegada à Câmara desse PL 377 que, de repente, modifica a Operação Urbana da Faria Lima, propondo a aplicação dos recursos da Operação, que deveriam ser utilizados lá, ocorrer na região da Avenida Santo Amaro, dando benefícios àqueles que lá possuem imóveis. Sem dúvida alguma, sabemos que a Avenida Santo Amaro precisa de melhorias, modificações e enterramento de fios… Mas estas melhorias devem vir de uma operação urbana que seja discutida, para a qual sejam feitas as audiências públicas e de cujo processo a sociedade participe.

Então, Sr. Presidente Claudinho de Souza, queria alertar a sociedade para o fato de que o PL 377 precisa ser discutido na Comissão de Política Urbana ou, pelo menos, passar por audiência pública para que possamos compreendê-lo melhor.

Parabéns, mais uma vez, nobre Vereador Claudinho de Souza, por não ter permitido que nenhuma manifestação preconceituosa tomasse lugar em nosso Plenário.

Com relação à manifestação indevida de um dos munícipes aqui presentes, o nobre Vereador Alfredinho solicitou à Segurança que o identifique para que S.Exa. tome, pessoalmente, as medidas que considerar legítimas.